É MAIS QUE VOAR

- Desde 2008 - Notícias | Aviação | Investimentos | Economia | Viagens |

AVIAÇÃO EXECUTIVA | Business Aviation

DEFESA | Defense

Asas Rotativas | Helicopters


GOL (GOLL4) realiza o primeiro voo técnico com o Boeing 737 MAX | É MAIS QUE VOAR
Na imagem, o Boeing 737 MAX 8 registro PR-XMG operado pela GOL.
Foto © GOL - Divulgação.


Com mais de 600 dias “proibidos” de voar, o MAX ganha os céus brasileiro com voo técnico “homologação” com as novas atualizações. Leia em detalhes.

 

A companhia aérea brasileira GOL realizou com sucesso em 26 de novembro de 2020, seu primeiro voo técnico com o Boeing 737 MAX 8, sendo a primeira companhia aérea que decolou o MAX no mundo com todos os requisitos de atualização incorporados, após a revogação da suspensão pela FAA e pela ANAC. A aeronave MAX estava proibida de voar por mais de 600 dias após se envolver em dois acidentes ocorridos por outras companhias aéreas.

 

O voo operacional na GOL contou com representantes da ANAC e da Boeing a bordo, e foi comandado por pilotos da GOL recentemente treinados nos Estados Unidos, sempre de acordo com as novas recomendações das autoridades aeroportuárias.

 

A companhia aérea ressaltou que, nos próximos dias, como um dos requisitos exigidos antes da retomada ao serviço do Boeing 737 MAX, serão realizados voos técnicos sem passageiros com cada uma das 7 aeronaves da Companhia. Por deliberação própria e em linha com sua cultura de excelência em Segurança, a GOL optou por exceder aos requisitos regulatórios e realizará múltiplos voos técnicos adicionais ao recomendado.

 

A GOL alegou também que o retorno do Boeing 737 MAX à operação da Companhia ocorrerá de forma progressiva ao longo das próximas semanas.

 

O posicionamento de Boeing sobre a aprovação FAA

 

Em 18 de novembro de 2020, a autoridade de aviação civil norte-americana (Federal Aviation Administration ou FAA, na sigla em inglês) revogou o despacho que suspendia as operações comerciais dos Boeing 737-8s e 737-9s. A decisão permite que as companhias aéreas que estão sob a jurisdição da FAA, incluindo aquelas que operam nos EUA, tomem as medidas necessárias para retomada da operação da aeronave e que a Boeing comece a fazer as entregas.

 

"Jamais nos esqueceremos das vidas perdidas nos dois trágicos acidentes que levaram à decisão de suspender as operações", disse David Calhoun, CEO da Boeing. "Esses acontecimentos e as lições que aprendemos com eles redefiniram nossa empresa e concentraram ainda mais nossa atenção em nossos valores fundamentais de segurança, qualidade e integridade".

 

Ao longo dos últimos 20 meses, a Boeing trabalhou em estreita colaboração com as companhias aéreas, fornecendo-lhes orientações detalhadas sobre armazenamento de longo prazo e garantindo que suas recomendações fossem integradas ao processo de retomada da operação dos aviões com segurança.

 

Uma Diretriz de Aeronavegabilidade emitida pela FAA especifica os requisitos que devem ser atendidos antes que os operadores norte-americanos possam retomar as operações, incluindo: implementação de melhorias de software, conclusão de modificações de separação de cabos, realização de treinamento de pilotos e execução de uma minuciosa despreservação de aeronaves que garantirá que estejam prontas para a retomada das operações.

 

"A diretiva da FAA é um marco importante", disse Stan Deal, presidente e diretor executivo da Boeing Commercial Airplanes. "Continuaremos a trabalhar com as agências reguladoras em todo o mundo e nossos clientes para a retomada da operação das aeronaves globalmente".

 

Além das mudanças feitas no avião e no treinamento de pilotos, a Boeing tomou três medidas importantes para reforçar seu foco em segurança e qualidade.

 

  • 1 – Alinhamento organizacional: Mais de 50.000 engenheiros foram reunidos em uma única organização que inclui uma nova unidade de Segurança de Produtos e Serviços, integrando as responsabilidades de segurança em toda a empresa;
  • 2 – Foco cultural: Os engenheiros receberam mais autonomia para melhorar a segurança e a qualidade. A empresa está identificando, diagnosticando e solucionando problemas com mais transparência e rapidez;
  • 3 – Aprimoramentos de processos: ao adotar processos de design de última geração, a empresa está permitindo níveis maiores de qualidade inicial.

 

Atualizações do Boeing 737 MAX


O Sistema MCAS do 737 MAX foi atualizado

 

O MCAS, ou Sistema de Aumento de Características de Manobra, fornece características consistentes de manuseio de aviões em um conjunto muito específico de condições de voo incomuns. O MCAS atualizado recebeu vários aprimoramentos:

 

  • Medidas de dois sensores de Ângulo de Ataque (AOA) serão comparadas;
  • Cada sensor enviará seus próprios dados ao computador de controle de voo do avião;
  • O MCAS só será ativado se ambos os sensores concordarem;
  • O MCAS só será ativado uma vez.
  • O MCAS nunca substituirá a capacidade do piloto de controlar o avião usando apenas a coluna de controle.

 

Como funcionava o MCAS inicialmente?

 

Antes de ser aprimorado, o MCAS contava com informações de um único sensor de Ângulo de Ataque (AOA) para monitorar o ângulo do avião. Nos dois acidentes, um único sensor AOA deu informações incorretas ao MCAS, o que fez com que fosse ativado. Em ambos os casos, o MCAS se engajou repetidamente quando o sensor continuou a relatar incorretamente um AOA alto.


O uso do MCAS passou a ser implementados de acordo com os regulamentos da FAA onde exigem quem todos os jatos comerciais tenham características de manuseio suave em todas as condições de voo. Isso inclui raros casos em que o nariz do avião é extraordinariamente alto, como quando ele está subindo agressivamente ou realizando curvas excessivamente apertadas com ângulos de banco altos.

 

O MCAS foi projetado para ser ativado somente quando todas as condições seguintes ocorrerem ao mesmo tempo:

  • O piloto está pilotando o avião manualmente;
  • O nariz do avião se aproxima de um ângulo mais alto do que o normal.

 

 

Outras atualizações do 737 MAX

 

Durante o processo de revisão e teste, foram descobertas algumas questões que não se relacionavam diretamente com o Sistema de Aumento de Características de Manobra (MCAS) ou os acidentes. Esses itens estão sendo abordados em todos os aviões antes de retornar ao serviço:

 

GOL (GOLL4) realiza o primeiro voo técnico com o Boeing 737 MAX | É MAIS QUE VOAR

1 – Desenvolvimento de atualizações de software para resolver problemas teóricos de estabilizador horizontal

 Durante os testes, a equipe da Boeing simulou o que aconteceria em caso de várias condições potenciais de falha. Estes identificaram uma combinação teórica de falhas que poderiam levar a uma condição estabilizadora desgovernado. Embora essa condição nunca tenha ocorrido durante as 200 milhões de horas de operações de voo em qualquer avião 737, um novo software foi desenvolvido, testado e certificado para garantir que isso nunca aconteça. O software atualizado estará a bordo em todos os aviões antes de retornarem ao serviço.

 

2 – Solução determinada para modificar alguma fiação para atender aos requisitos da FAA

O processo de revisão abrangente dos reguladores incluiu um exame robusto do sistema de controle horizontal do estabilizador do avião. Durante a revisão, a equipe determinou que parte da fiação associada ao sistema não estava separada tão distante quanto a exigida pela FAA. Todos os aviões serão modificados para atender a este requisito antes de retornar ao serviço. Em alguns casos, a Boeing vem executando essa tarefa para nossos clientes de companhias aéreas; em outros, vamos fornecer-lhes toda a documentação técnica e materiais que eles precisam para fazer o trabalho eles mesmos.

 

3 – Verificando aviões armazenados para detritos de objetos estrangeiros (FOD)

O FOD pode ser um subproduto não intencional do processo de produção do avião. Durante a manutenção de rotina em aviões armazenados, a Boeing encontrou alguns casos de FOD. Imediatamente foram inspecionados todos os aviões armazenados para FOD e a fabricante compartilhou recomendações de inspeção e instruções detalhadas com os clientes armazenando seus próprios aviões. Também melhorou o treinamento e procedimentos para reduzir a probabilidade de FOD. Todos os aviões passarão por uma inspeção fod antes de retornar ao serviço.

 

4 – Software atualizado para abordar a possibilidade remota de desengajamento do piloto automático

Testes e análises extensivos identificaram uma possibilidade remota de que o piloto automático pudesse se desengatar sem um comando piloto. Alertas e avisos de convés de voo já estavam em vigor que alertariam a tripulação para este problema, que nunca ocorreu. Novos softwares foram desenvolvidos, testados e certificados para evitar que essa possibilidade remota ocorra. O software atualizado estará a bordo em todos os aviões 737-8 e 737-9 antes de retornarem ao serviço.

 

Todos os programas do avião incluem um processo para melhoria contínua do produto, sendo assim, a Boeing informou que continuará atualizando em buscas de melhorias e performance. Nenhum dos itens a seguir foi considerado pelos reguladores como sendo necessário para o retorno seguro ao serviço, mas será abordado à medida que a Boeing avança no processo.

 

Maior integridade do Ângulo de Ataque (AOA)

 

Um regulador solicitou à Boeing que também considerasse as ações futuras para aumentar ainda mais a integridade da AOA. O regulador não considerou isso um requisito para o retorno seguro do avião ao serviço. As equipes estão atualmente procurando a melhor maneira de desenvolver e implementar essa funcionalidade.

 

Testes adicionais de alerta da tripulação

 

Após o retorno ao serviço, a Boeing e os principais reguladores continuarão a estudar os fatores humanos associados à tripulação alertando recursos sobre novos modelos do 737. O planejamento dessa iniciativa está nos estágios iniciais.

 

Validação das atualizações do 737 MAX


Quem participou do processo de validação?

 

Várias agências reguladoras e organizações de aviação de todo o mundo trabalharam juntas para devolver com segurança o 737-8 e 737-9 ao serviço. Engenheiros, cientistas, pesquisadores, mecânicos, pilotos e pilotos de linha envolvidos em um processo minucioso que envolveu centenas de milhares de horas e mais de mil voos de teste e verificação.

 

A FAA é a autoridade certificadora do avião e revogou a ordem de suspenção de operações com o 737 MAX para companhias aéreas que estão sob sua jurisdição, incluindo as dos EUA. Embora os processos da FAA informem outras autoridades de aviação civil, a Boeing continua a trabalhar com esses reguladores à medida que eles tomam suas próprias ações para devolver o avião ao serviço de suas transportadoras aéreas.

 

Outras agências envolvidas representam as regiões/países são:

Argélia, Argentina, Aruba, Austrália, Azerbaijão, Bermuda, Brasil, Canadá, Ilhas Cayman, China CIS, Egito, Etiópia, União Europeia, Fiji, Hong Kong, Índia, Indonésia, Iraque, Israel, Japão, Jordânia, Cazaquistão, Quênia, Malásia, Mauritânia, México, Mongólia, Marrocos, Nova, Zelândia, Nigéria, Omã, Panamá, Papua-Nova Guiné, Rússia, Ruanda, Samoa, Arábia Saudita, Cingapura, África do Sul, Coreia do Sul, Taiwan, Tailândia, Trinidad e Tobago, Turquia, Ucrânia, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido, Estados Unidos e Vietnã.

 

A FAA e outros reguladores determinaram o processo de validação, cronograma e requisitos. A Boeing fez revisões com a FAA e ambos trabalharam em estreita colaboração com os outros reguladores a cada passo. O processo abrangente revisou cuidadosamente todos os aspectos do avião relevantes para as condições de aterramento e:

 

  • Software de avião;
  • Procedimentos da tripulação de voo;
  • Manutenção necessária;
  • Treinamento de voo e manutenção;
  • Simuladores;
  • Lista mínima de equipamentos;
  • Normas de certificação.

 

A FAA conduziu essa avaliação em conjunto com três autoridades internacionais de aviação civil: Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), Transport Canada Civil Aviation (TCCA) e European Agency Safety Aviation (EASA). As revisões frequentemente envolveram equipes especializadas de especialistas de todo o mundo da aviação, incluindo reguladores globais e representantes da NASA e da Força Aérea dos EUA. Essas equipes incluem:

 

Membros do Conselho de Avaliação de Operações Conjuntas (JOEB).

Membros: FAA e parceiros internacionais do Canadá, Europa e Brasil.

Responsabilidade: Avaliou e relatou sobre as necessidades de treinamento de pilotos

 

Membros do Conselho Consultivo Técnico (TAB)

Membros: FAA, Força Aérea dos EUA, NASA e Volpe National Transportation Systems Center (parte do Departamento de Transportes dos EUA).

 Responsabilidade: Avaliou e relatou sobre a documentação final de design da Boeing

 

Membros do Conselho de Padronização de Voo (FSB)

Membros: inspetores de operações da FAA, especialistas em normas de segurança e consultores técnicos.

Responsabilidade: Revisou as recomendações de treinamento da JOEB e as incorporou ao relatório revisado da FSB.

 

Membros da Joint Authorities Technical Review (JATR)

Membros: Especialistas técnicos em segurança de nove autoridades de aviação civil em todo o mundo, FAA e NASA.

Responsabilidade: Avaliou e relatou sobre a certificação do avião

 

Como foi estruturado o processo de validação

 

As ações da FAA são aplicáveis apenas às companhias aéreas que estão sob sua jurisdição, incluindo as dos EUA. Embora os processos da FAA informem outras autoridades de aviação civil, cada um deve tomar suas próprias ações para devolver o avião ao serviço de suas transportadoras aéreas. A FAA, em cooperação com a Boeing, garantirá que seus homólogos internacionais tenham todas as informações necessárias para tomar uma decisão oportuna e focada na segurança.

 

Aprimoramentos desenvolvidos e testados (Boeing, reguladores)

Os aprimoramentos de software, design e treinamento foram desenvolvidos em estreita colaboração com os reguladores. Os aprimoramentos foram rigorosamente testados, primeiro em modelos de computador e laboratórios, depois em simuladores e, finalmente, durante os voos de teste.

 

Conclusão dos Voos de certificação (FAA, Transport Canada Civil Aviation, European Union Aviation Safety Agency)

Os pilotos testaram as mudanças propostas nos sistemas de controle de voo durante uma ampla gama de manobras de voo e procedimentos de emergência.

 

Publicação online do Aviso da Proposta de Diretiva de Sobresendimento (FAA)

Público foi convidado a comentar sobre uma descrição abrangente das etapas necessárias para o retorno ao serviço.

 

Avaliação das necessidades de treinamento de tripulação de voo (FAA/JOEB)

Pilotos de linha de vários níveis de experiência de transportadoras americanas e internacionais trabalharam com a multinacional JOEB para avaliar as necessidades de treinamento. Achados relatados à FSB.

 

Publicação online do Rascunho do relatório da FSB (FAA/FSB)

O público foi convidado a comentar sobre os novos requisitos propostos de treinamento de tripulação de voo associados ao Sistema de Aumento de Características de Manobra (MCAS).

 

Publicação do Relatório final da FSB (FAA)

Após revisar e abordar todos os comentários públicos, o relatório final foi emitido.

 

Revisão final da documentação de design da Boeing (FAA/TAB)

A documentação foi revisada para avaliar o cumprimento de todas as regulamentações da FAA. A TAB também revisou a apresentação final da Boeing e emitiu um relatório final antes que a FAA fizesse sua determinação final de conformidade.

 

Publicação da Diretiva de Aeronavegabilidade (AD) e Notificação contínua de Aeronavegabilidade à Comunidade Internacional (CANIC) (FAA)

A FAA publicou o anúncio final e emitiu um CANIC que notificou os reguladores internacionais do anúncio final. A AD informou todos os operadores das ações necessárias que devem ser concluídas antes que os aviões possam retomar o serviço comercial.

 

Ordem de suspensão de 737 operações (FAA)

 A FAA suspendeu a ordem para companhias aéreas que estão sob sua jurisdição, incluindo as dos EUA.

 

Etapas completas especificadas em AD (FAA, Boeing, Airlines)

 O levantamento da ordem permitiu que as companhias aéreas da jurisdição da FAA e da Boeing começassem a trabalhar para completar as etapas abaixo. Reguladores de outras jurisdições farão suas próprias determinações.

 

Treinamento


• As companhias aéreas devem receber aprovação regulatória para seus programas de treinamento;

• Os pilotos devem completar todo o treinamento necessário.

 

Aviões

• Aviões entregues: As companhias aéreas devem implementar todas as alterações necessárias especificadas pela FAA em aviões em suas frotas e completar todas as tarefas de ativação.

• Aviões não entregues: A FAA realizará, pessoalmente, revisões individuais de cada avião não entregue antes de emitir um certificado de aeronavegabilidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

2021 © É MAIS QUE VOAR