É MAIS QUE VOAR

- Desde 2008 - Notícias | Aviação | Investimentos | Economia | Viagens |

AVIAÇÃO EXECUTIVA | Business Aviation

DEFESA | Defense

Asas Rotativas | Helicopters

VOEPASS vende a MAP LINHAS AÉREAS para a GOL | Foto © Herbert Monfre - Fotógrafo de avião - Eventos - Publicidade - Ensaios - Contrate o fotógrafo pelo e-mail cmsherbert@hotmail.com | Imagem produzida por Herbert Pictures - É MAIS QUE VOAR

Os controladores da VOEPASS Linhas Aéreas anunciaram em 08 de junho de 2021, a formalização de um contrato de compra e venda da empresa MAP Linhas Aéreas, tendo como compradora a GOL Linhas Aéreas (B3 – Ibovespa: GOLL4 || NYSE: GOL). A negociação envolve a assunção pela GOL, de todas as operações da MAP, incluindo os 26 slots no Aeroporto de Congonhas (CGH). O fechamento do negócio está sujeito a condições precedentes, inclusive aprovação do CADE e da ANAC. 


A MAP é a quinta maior empresa aérea brasileira, com uma frota de sete aeronaves (quatro ATR-42 com 48 assentos e três ATR-72 com 70 assentos) que operam em rotas da região amazônica a partir de Aeroporto de Manaus e nas regiões Sul e Sudeste a partir de Congonhas, o maior aeroporto doméstico do país. A efetivação dessa Transação reforçará o posicionamento da GOL em CGH de aproximadamente 10% de crescimento, por meio da adição de 26 voos diários. 


A GOL preserva a estratégia de frota única para atender essas novas rotas de forma sustentável e econômica. A Companhia também possui flexibilidade adicional para avaliar novos tipos de aeronaves ou parcerias que possam atender esses mercados regionais com melhor eficiência de custos, sem qualquer obrigação futura no que se refere à frota atual da MAP.


Para a VOEPASS, a venda da MAP é estratégica e representa um movimento de redução de seu endividamento, melhora na gestão do caixa e permitirá, no médio prazo, sua recuperação econômica. "Nosso planejamento em 2019 indicava uma forte recuperação da VOEPASS a partir do primeiro semestre de 2020. Contudo, com a pandemia todas as expectativas foram frustradas, passamos a lutar pela sobrevivência da companhia, atravessando a pior crise da história da aviação mundial. Agora, com a venda da MAP, geraremos no médio prazo um cenário mais equilibrado de caixa e também da nossa operação aérea", ressalta José Luiz Felício Filho, Diretor Presidente da empresa.


A operação de compra e venda se baseou na assunção, pela GOL, de compromissos financeiros da MAP, além da expansão das operações de compra de capacidade (CPA) pela VOEPASS. Atualmente, a companhia opera contratos de CPA para a GOL com voos para 15 destinos em todas as regiões do Brasil.


Para Eduardo Busch, CEO da VOEPASS, a venda do ativo é fundamental para o futuro da empesa. "Em um primeiro momento pouca coisa irá mudar na gestão da VOEPASS, pois não haverá nenhum aporte de recursos para o caixa da companhia. Haverá sim a desoneração de algumas dívidas de curto prazo que resultará na melhor gestão do caixa. A possibilidade de expansão das operações de CPA, no médio prazo, permitirá à empresa retomar sua saúde financeira e fazer frente a todos os seus compromissos. Teremos, assim, uma excelente oportunidade para a retomada econômica dos mercados, com a expansão da malha da aviação regional do Brasil. O trabalho de recuperação pós-crise está só começando."


"Ao logo do último ano enfatizamos, consistentemente, que a GOL estava bem-posicionada para o crescimento no ciclo pós-pandêmico, decorrente da prudente gestão financeira e do nosso eficiente modelo operacional, que nos diferenciam no mercado", disse Paulo Kakinoff, CEO. "Esta aquisição é um passo importante da nossa estratégia de expansão de malha e capacidade, à medida em que buscamos revitalizar a demanda por viagens aéreas de lazer e a negócios. Assim, a Companhia está investindo ainda mais no mercado de transporte aéreo regional com destaque para a região Amazônica, apoiando o desenvolvimento econômico local e fortalecendo as nossas operações no Aeroporto de Congonhas."


Kakinoff acrescentou: "Acreditamos que a aquisição da MAP seja, nesse momento, a única oportunidade viável de consolidação racional no mercado de aviação brasileiro. Daqui para frente, continuaremos focados na estratégia de crescimento orgânico, estimulando a demanda para expansão de nossa malha."


A GOL vê três benefícios principais nessa Transação:


Expansão para Novas Rotas. A Companhia pretende oferecer novos destinos e rotas complementares à sua malha atual no Aeroporto de Congonhas, que proporcionarão maior leque de opções de voos e mais conveniência para os Clientes.


"Nós acreditamos que a malha da GOL é a opção mais atrativa para os Clientes, tanto a negócios como a lazer, em termos de custo, atendimento e frequência de voos", disse Edu Bernardes, Diretor Vice-Presidente de Vendas e Marketing.


Maior Densidade de Oferta de Assentos a Mercados. Historicamente Sub-ofertados. Além de expandir para novas rotas, a Companhia disponibilizará uma oferta de assentos por voo substancialmente maior que a atualmente disponível pela MAP para esses mercados. Os ATRs serão substituídos por aeronaves maiores e mais eficientes, dando continuidade à estratégia regional da GOL, que hoje opera com 23 Boeing 737-700 - um modelo que pode ser substituído por outro tipo de aeronave ainda mais eficiente no futuro.


"Por meio da operação de aeronaves maiores e mais modernas nessas rotas, a Companhia aumentará a oferta de voos e assentos em um dos principais mercados do país," disse Celso Ferrer, Diretor Vice-Presidente de Operações.


Aperfeiçoando as Operações Eficientes. Com custos unitários entre os mais baixos do mundo, a GOL oferecerá maior eficiência com essas novas operações em Congonhas. Esses menores custos permitirão que a Companhia pratique tarifas mais competitivas em relação a qualquer concorrente no Brasil, que tipicamente servem esses mercados com aeronaves menores e menos eficientes, provendo benefícios de escala decorrentes das operações da GOL.


"A Transação é mais um exemplo de que a Companhia está pronta para retomar seu crescimento sustentável e investimentos no transporte aéreo brasileiro, suportados por custos operacionais substancialmente mais baixos que os da concorrência," acrescentou Richard Lark, Diretor Vice-Presidente Financeiro.


Termos e Condições da Transação. A MAP será adquirida por R$ 28 milhões em dinheiro e ações, a ser pago após o cumprimento de todas as condições precedentes, composto por 100.000 ações GOLL4 a R$ 28 por ação e R$ 25 milhões em dinheiro a serem pagos em 24 parcelas mensais. No fechamento, a Companhia assumirá até R$ 100 milhões de compromissos financeiros da MAP. A conclusão da Transação está condicionada a determinadas condições precedentes, incluindo aprovações e confirmações pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) e pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE).


A VOEPASS reitera que ficam mantidas, sem qualquer alteração, todas as operações aéreas realizadas na Região Norte, e que mantém seu planejamento de expansão nesta localidade do Brasil trabalhando na identificação dos gargalos de infraestrutura juntamente à SAC e à ANAC para que possa expandir os destinos atendidos nos estados do Pará, Amazonas, Acre e Rondônia.


A GOL e a VOEPASS darão entrada imediata na consulta aos órgãos reguladores para a aprovação da operação da compra e venda, sem data para ser concluída.


SOBRE A VOEPASS


A Passaredo Linhas Aéreas é a empresa aérea brasileira mais antiga em operação, tendo iniciado seus voos no ano de 1995. No ano de 2019, os controladores da Passaredo adquiriram o controle societário da MAP Linhas Aéreas, formando a nova marca VOEPASS LINHAS AÉREAS. Atualmente, atende a 31 destinos em todas as regiões do Brasil, contando com uma frota de 16 aeronaves modelo ATR 42 e ATR 72. A empresa conta com 1100 empregos diretos, sendo a quarta maior companhia área do Brasil. No momento pré-pandemia, a companhia atendia a 47 destinos no Brasil, tendo paralisado totalmente suas operações em 23 de março até 03 de julho de 2020, ficando 102 dias sem operar. A empresa opera sob a certificação IOSA, certificado de excelência operacional internacional emitido pela IATA, sendo associada da ABEAR (Associação Brasileira das Empresas Aéreas) e da ALTA (associação de empresas aéreas da América Latina). Opera em acordo comercial de interline com a GOL Linhas Aéreas e em regime de codeshare com a LATAM Airlines.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

2021 © É MAIS QUE VOAR